Comunicação
02/08/2022

Fundação do Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora: memória, gratidão e futuro

A data de 5 de agosto de 1972 é uma data de graça e um evento de forte comunhão para todas as Filhas de Maria Auxiliadora do mundo. Por volta de 5 de agosto de 2022, 150 anos depois deste dia de memória e futuro, de gratidão e fidelidade, Irmã Piera Cavaglià, Secretária Geral do Instituto FMA, compartilha algumas reflexões sobre o aniversário.
Recordar é abrir o coração à esperança
Na Ata de Fundação do Instituto há uma frase que não cessa de nos fazer meditar: "Há uma acumulação de circunstâncias que demonstram uma especial providência do Senhor para este Instituto" (Cronistoria I, 315). Nesta festa revivemos a memória de tudo o que Deus fez no Instituto em 150 anos e por isso abrimo-nos à esperança, porque o seu amor é eterno e é sempre novo. Esta memória torna-se uma "estrela de esperança" também para cada um de nós, que tem a sua própria história pessoal de salvação, a ser verdadeiramente valorizada, tendo sempre presente a memória das grandes coisas que realizou na sua vida, para tenha confiança: sua própria misericórdia é eterna.

 

A força das raízes
    Não nos cansemos de voltar às fontes, de saciar nossa sede na fonte fresca e refrescante do Carisma: Mornese, onde está enraizado nosso futuro. Se não estivermos bem enraizados nessa terra, não podemos dar frutos. Madre Mazzarello escreveu à Irmã Angela Vallese sobre a Irmã Vittoria Cantù:
“Com Irmã Vittoria é preciso ter paciência e inspirar-lhe pouco a pouco o espírito de nossa Congregação. Ele ainda não pode tê-lo tomado porque tem sido muito pouco tempo em Mornese. Parece-me que se você souber como tomá-lo, terá sucesso” (Carta 25,3).
O sentido da nossa vida e da sua fecundidade está em "permanecer unidos à Videira" para dar fruto. O fruto que o Instituto é chamado a dar é a marca do "espírito de Mornese" . Seja qual for a nação a que pertençamos, seja qual for a nossa idade, seja qual for o serviço que nos seja confiado, sabemos que devemos continuamente “voltar a Mornese”, para nos refletirmos na santidade genuína de Madre Mazzarello e de tantas irmãs. Quanto mais as Constituições são vividas com fidelidade, mais o "espírito de Mornese" é vivido e testemunhado.
O clima espiritual em que o Instituto foi fundado
Com base em fontes históricas e carismáticas, revisitamos a celebração da fundação do Instituto em Mornese, em 5 de agosto de 1872, para captar seu "clima" e reler o evento à luz da vida do Instituto hoje.

 

Clima eclesial
    A presença do Bispo na fundação do Instituto das FMA, confirmada pela assinatura na Ata da Fundação, sela o horizonte eclesial em que nasceu. A "terra" onde se enraizou o pequeno grupo das Filhas da Imaculada foi a paróquia, a Diocese: teve início em 9 de dezembro de 1855 (um ano após a proclamação do Dogma da Imaculada Conceição) na paróquia e em 31 de maio de 1857 foi oficialmente aprovado pelo Bispo.
As primeiras FMA encontram-se envolvidas no grande "sonho" de Dom Bosco: "Devo fazer com que o sangue de Jesus não seja derramado em vão, tanto pelos jovens como pelas meninas" (MB VII 218).
Ratificando de próprio punho a eleição de Madre Mazzarello em 1880, Dom Bosco escreveu:
“Rogo a Deus que em todas [as FMA] infunda o espírito de caridade e fervor, para que esta nossa humilde Congregação cresça em número, expanda-se para outros e depois para outros países mais remotos da terra ..” (Pegadas de vida, vestígios do futuro D 118).
Os consagrados serão sobretudo missionários, aprofundando continuamente a consciência de terem sido escolhidos e chamados por Deus para tornar visível a sua presença no mundo (cf. VC 25).

 

Clima de páscoa
    O Instituto FMA tem suas raízes no mistério pascal de Jesus, com sua paixão, morte, ressurreição. Nasce e fecunda no signo do sofrimento. As primeiras FMA são pobres, criticadas, desafiadas por mal-entendidos e muito em breve por doenças, deserções, mortes prematuras. Dom Bosco observa-os comovidos no dia da Fundação e ajuda-os a inserir-se na lógica do mistério pascal com a metáfora do nardo:
«Entre as plantas muito pequenas há uma muito perfumada: o nardo, muitas vezes mencionado na Sagrada Escritura. (…) Mas você sabe o que é preciso para o nardo cheirar bem? Deve ser bem batido. Não lamente, portanto, que você tenha que sofrer. Quem sofre por Jesus Cristo reinará com ele para sempre. (…) Sim, posso assegurar-vos que o instituto terá um grande futuro, se vos mantiverdes simples, pobres, mortificados” (Cronistoria I 305).
A palavra “coragem”, repetida com frequência por Madre Mazzarello, é pronunciada sobre uma experiência que realmente precisa de conforto e coragem.

 

Clima mariano
   Por que Dom Bosco escolheu o caminho mornese para iniciar o Instituto para as mulheres? Além da simplicidade daquelas jovens, da dedicação generosa e sacrificada às meninas da aldeia, à vida comunitária, ao amor ardente por Jesus, há um amor intenso por Maria. Onde há Maria há futuro e Dom Bosco aponta para o futuro.
A primeira casa chama-se "Casa de Maria" , como Madre Mazzarello gostava de chamá-la. Em Mornese, como em Nice, Maria não é hóspede, é anfitriã. Ela é considerada diretora, guia, mãe. A ela são confiadas as chaves da casa e do coração das pessoas. Sua proteção e ajuda são experimentadas.
O nome do novo Instituto é símbolo de uma identidade: Filhas de Maria Auxiliadora, monumento vivo de gratidão.
A missão educativa de Maria está em relação direta com a sua maternidade espiritual para com toda a humanidade. Maria, como Mãe, é chamada a gerar em nós a imagem do Filho, ou seja, a identidade mais profunda que nos foi comunicada pelo Pai, em Cristo, por meio do Espírito.
   No dia 5 de agosto, todas as FMA se sentem profundamente unidas à Madre Geral, às Irmãs do Conselho, às FMA dos 5 Continentes, como toda a Família de Maria, que estende na Igreja o amor de Dom Bosco e Maria Domingas Mazzarello por as moças., os pequeninos e os pobres.

 

Fonte: Conselho editorial
https://www.cgfmanet.org/

Compartilhe
Receba as novidades no seu e-mail
Quero receber